Servidores do município de Santa Rita foram às ruas na manhã desta quarta-feira (29), para reivindicar seus direitos mais uma vez, e mostrar a população toda realidade da em que se encontram, depois dos direitos tomados pela gestão municipal.
O manifesto teve concentração na Praça do Povo, depois tomaram as ruas em caminhada até o fórum da cidade, para realizar um ato, solicitando ajuda da Justiça para retomar seus direitos.

Divulgação/NP

De acordo com o Sindicato dos Funcionários Públicos de Santa Rita (Sinfesa), os atos da gestão municipal estão causando prejuízos muitos prejuízos, que nunca foram vistos na história de Santa Rita, os atos estariam levando situação de vulnerabilidade e até necessidades às famílias, uma situação de completo abalo em seus orçamentos.

O Decreto 32, conhecido pela população como ‘Pacote da Maldade’, é considerado inconstitucional pelo Ministério Público, que cassou direitos e garantias e suspendeu planos de cargos e salários, além da redução salarial dos professores P1 com a retirada da equiparação salarial, rebaixando os vencimentos dos servidores em 60%, em média.

“Estamos diante de um completo absurdo, estamos sofrendo, o funcionalismo pede socorro. Estamos ocupando as ruas porque o prefeito, além de não cumprir com suas obrigações, retira o que nos é direito, garantido em lei. Deixamos ofícios na secretaria de educação e no MP denunciando e pedindo providências sobre a negação e retiradas de direitos da gestão coronelista e retrógrada. Não vão nos calar”, afirmou a dirigente Leda Santos, do Sinfesa.

 

NP com Redação

COMPARTILHAR
Ary Silva
Natural de Recife-PE, Ary Silva começou a atuar em João Pessoa no ano de 2014 com Jornalismo Esportivo, passando por Rádios como a Sanhauá AM, Cruz das Armas FM, escreve para o portal de turismo O ConciergeOnline e trabalha com assessoria de imprensa. Dinâmico e criativo, Ary Silva busca transparecer a essência da profissão, levando informação e prestação de serviços à comunidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Digite o seu nome