Home Blogs e Colunas O fim da Era do Lixo?

O fim da Era do Lixo?

Chegamos ao fim de um ano quase sem fim, pois toda a população desejava que findasse a exposição de lixos que decorava a cidade com sua poluição visual e fedentina. No Império romano se contava o tempo pelos anos do governo de cada administrador o que eles chamavam de Era, se ainda fosse assim, poderíamos dizer: “chegamos ao fim da Era de Netinho, ou chegamos ao fim da Era do lixo.”

O município de Santa Rita viveu o seu maior descaso administrativo, onde os serviços públicos básicos não foram realizados, como a coleta de lixo e a falta de pagamento dos salários dos servidores públicos.

Tudo isso me remeteu ao encantador livro que estava lendo do historiador Azemar dos Santos Sares Júnior Corpos Hígidos: o limpo e o sujo na Paraíba (1912-1924), onde há um capítulo inteiro falando sobre a importância e a atuação do médico e político Dr. Flávio Maroja, que lutou pela higienização e pela saúde pública no estado da Paraíba, onde foi vice-governador, na época, chamado de vice-presidente.

Flavio Ferreira da Silva Maroja foi pioneiro no estudo das questões médicas sanitárias na Paraíba. Iniciou seu curso de Medicina em Salvador, em 1883, e concluiu na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1888. Um ano depois de sua formatura, ocupou o cargo de Intendente Municipal na Capital da Paraíba. Durante a mudança de Império para República (1889) foi escolhido dentre os deputados para participar da votação da Constituição. Atuou como presidente do Instituto Histórico e Geográfico da Paraíba (IHGP); fez concurso para o Exército, na área de Saúde, em 1890. Um ano depois foi promovido a Capitão e destinado para o estado de Goiás, assumindo a Enfermaria Militar. Depois de três anos de atuação, por motivos de saúde, obteve a demissão do Exército por incapacidade física, voltando assim para Paraíba, onde dedicou-se a clinicar.

Na cidade de João Pessoa ocupou cargos administrativos no Hospital Santa Isabel, no IHGP e na Sociedade Médica, mas foi na saúde pública que se destacou como um político atuante. Segundo o historiador Azemar Júnior, o destaque do Dr. Flávio Maroja vem no “momento em que uma série de epidemias – a varíola, a peste bubônica – assolavam a população paraibana”. Neste momento o Dr. atuava como médico do posto, ele propôs a criação do Instituto Vaccinogênico, ou seja, um instituto voltado para a vacinação.

O que diria Dr. Flávio Maroja se visse este atraso em que nossa cidade está vivenciando; ele que também teve seu filho como prefeito aqui, em Santa Rita, entre os anos de 1947 a 1951. O Dr. Flávio Maroja Filho construiu um posto médico em Bayeux, que na época pertencia a cidade de Santa Rita, concluiu o mercado público e a Praça Getúlio Vargas; obras iniciadas pelo seu antecessor Diógenes Chianca. Não teve uma atuação tão importante quanto seu pai teve para a história do Estado da Paraíba, mas deixou seu legado.

Dr. Flavio Ferreira da Silva Maroja foi um homem visionário e de atuação assídua na luta pela higienização e nos cuidados com a saúde pública. Acredito que não precisa, necessariamente, ser um médico para compreender os malefícios que o acúmulo de lixo traz à saúde dos moradores. Tenho em mim que não precisa ser formado para entender de administração pública, entretanto, o ideal seria que todos que ocupassem este cargo de servidor público tivessem formação acadêmica, para entender as necessidades e direitos de cada cidadão.

O questionamento que sempre me faço é: de que forma você deseja ser lembrado? Ao tratar do médico e político Dr. Flávio Maroja, o historiador Azemar Júnior diz que “Os relatos encontrados sobre o médico são os melhores possíveis, em se tratando de sua personalidade política ou profissional” (p.114)

Em algumas citações de contemporâneos do Flávio Maroja e de historiadores que pesquisaram sobre atuação dele, os relatos sempre são bons. É o que percebi ao ler Corpos Hígidos. O que dirão os futuros historiadores sobre a Era do lixo em Santa Rita? De tudo isso, podemos tirar várias lições, uma delas é sobre a nossa responsabilidade com o planeta, pois pela primeira vez ficou evidente e exposto o quanto produzimos de lixo, a outra lição é o quanto o poder público é omisso na questão de coleta seletiva e reciclagem.

Há soluções para o planeta; há soluções para cidade de Santa Rita.

 

Siéllysson Francisco da Silva

É autor de “Santa Rita: a herança cristã do Real ao Cumbe”, entre outros livros.

Siéllysson Francisco
Siéllysson Franciscohttp://siellyssonfrancisco.blogspot.com.br
Siéllysson Francisco é mestre em Ciências das Religiões, Historiador, Cronista e Poeta.

1 COMMENT

  1. Em partes foi, ainda precisamos de muito trabalho para sanar o lixa dessa cidade, inclusive os lixos “públicos”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Must Read

O que é resiliência?

Para você que é resiliência? Pensou? A resiliência vem do latim: Resilire, que significa “voltar atrás”. Está integrada à habilidade que cada pessoa tem...

Duas mulheres são presas em Santa Rita suspeitas de tráfico de drogas

Duas mulheres foram detidas no fim da tarde desta terça-feira (16), no bairro Marcos Moura, em Santa Rita, região metropolitana de João Pessoa. De acordo...

Escola oferece cursos na área técnica em Santa Rita

Os cursos técnicos são uma forma de ingressar no mercado de trabalho de forma mais rápida, visto que as capacitações têm menor duração quando...

Site recebe a partir desta terça cadastro para lista de ‘não perturbe’ das teles

Consumidores que não desejam receber ligações de telemarketing de empresas de telecomunicação já podem se cadastrar a partir desta terça-feira (16) na chamada lista...

Polícia Militar detém suspeitos de assaltar casal de comerciantes e recupera objetos das vítimas em Santa Rita

A Polícia Militar prendeu um homem e apreendeu um adolescente que estavam praticando assaltos, na tarde desta segunda-feira (15), perto do aeroporto, entre as...