24 C
Santa Rita
quarta-feira, 12 agosto , 2020

Carta ao Preconceito

-

- Publicidade -

Preconceito,

 

Não começo esta carta com “Prezado”, “Querido” ou “Caro”. Afinal, você está longe de ser algo estimado. Nem mesmo com “Senhor”, pois algo tão desprezível não merece meu respeito.

Eu me sinto muito triste de ter que lhe escrever. E mais, ainda, por saber de sua existência. Sim, em pleno século XXI, quando nós, seres humanos, estamos tão mais “evoluídos”, mais “informados”, tendo acesso a tantos conhecimentos e meios, eu realmente achava que você não existiria mais. Engano meu, infelizmente.

Nessa semana, você me deu um “soco no estômago”, e doeu muito. Mas minha dor nem se compara à daquela mãe com a qual eu conversei. Explico: nessa semana, uma grande amiga me confidenciou que ensinou o filho a jamais correr dentro de um supermercado. Isso porque ele é negro, e ela tem medo de que, ao fazer isto, ele possa ser interpretado como um ladrão que está furtando algo.

Na hora que ouvi, tentei me manter forte, sabe? Eu imaginei o quanto deve ter sido sofrido para uma mãe explicar isso a um filho; então, não queria que ela visse meu coração tão apertado. E sabe o que é pior? É a sensação de impotência que senti enquanto ela me confidenciava algo tão difícil para ela. Tudo por sua culpa, Preconceito. Você mesmo, que insiste em morar nas pessoas.

E como mães – somos uma rede de mulheres que se abraçam, acolhem, partilham e se solidarizam –, sei o que essa minha amiga sentia, porque também venho me preparando há algum tempo para enfrentar você.

Sou mãe de uma criança linda, de três anos, que tem deficiência. Meu filho nasceu com síndrome de Down e tem um longo caminho a percorrer na vida para se desenvolver e fazer tudo que ele quiser (estudar, trabalhar, namorar, casar etc.). Mas, você, Preconceito, vai nos rondar. Você, tomando a cabeça e o coração das pessoas, poderá nos fazer vítimas de sua ação. Porém, como mãe leoa, que defende seus filhotes, estou aqui, firme e de pé, para combater você, defender meu filho e dar forças e condições para que ele mesmo também o enfrente e mostre como é maior e mais forte que você. Então, prepare-se, pois não ficaremos na posição passiva e de vítima.

Na minha opinião, Preconceito, você existe por dois motivos. O primeiro, por falta de informação. As pessoas, apesar de tantas fontes e meios, cercadas pela correria do dia a dia, ainda não se informam sobre muitas coisas, não é? E sem conhecimento específico e aprofundado sobre algo ou alguém, elas constroem um pré-conceito e emitem uma opinião, sem, ao menos, mergulhar-se no assunto, sem dar oportunidade de conhecê-lo. O segundo motivo é a convivência com o “diferente”: vivemos tão “normalizados com o padrão”, que quando algo foge do que estamos acostumados e do que foi nos ditado como “típico”, excluímos, tirando a liberdade e o direito de o outro ser como ele é ou quiser.

Que triste!

Saiba que o mundo que desejamos para nossos filhos é aquele no qual as crianças possam correr e brincar aonde elas quiserem. É aquele em que, ao sair na rua com meu filho, as pessoas possam sorrir e olhar para ele apreciando a beleza que ele tem, e não com espanto vendo o rostinho diferente que ele possui. É aquele no qual a diversidade é bem-vinda, celebrada e considerada uma riqueza. É aquele no qual ser diferente é ser “normal”, e está tudo bem ser assim!

Em nome de todas as mães de filhos pretos, brancos, pardos, amarelos e indígenas; altos e baixos; magros e gordos; com ou sem religião; politizados ou não; com ou sem deficiências; peço que nos deixe em paz, Preconceito! Deixe nossos filhos serem o que eles quiserem. Deixe que eles cresçam cercados por respeito (porque amor, nós, mães e pais, já temos de sobra para dar). Deixe que eles vivam sem ter que enxugarem as lágrimas que você provoca. O ser humano nasce com o coração repleto de amor, inocência, carinho e respeito. Não os roube.

Termino esta carta pedindo para que, ao partir, não volte nunca mais. Mas sei que esta despedida ainda pode demorar. Não tem problema: eu e muitas outras pessoas estamos preparadas para enfrentá-lo. Acredito, de todo o coração, que um dia venceremos você, em nome do meu filho, dos filhos dos outros e em nome de todas as diferenças!

Simone

- Publicidade -
Simone Habel
Simone Habel
Simone Habel: Bacharel em Comunicação Social – Jornalismo. Pós-graduada em Comunicação Empresarial e em Gerenciamento de Projetos. Tem experiência como assessora de imprensa e comunicação, redatora e revisora. Jornalista voluntária no Instituto Down 2000 e mãe de um lindo rapazinho de três anos.

12 COMENTÁRIOS

  1. “Preconceito”, uma palavra que não deveria existir.
    Simone, parabéns pelo texto!
    Somos todos diferentes por fora, a capa que nos reveste e o modo como agimos diante da vida não nos torna superiores ou inferiores. Temos uma única alma. Infeliz daqueles que ainda não conseguiram sentir isso, ainda precisam evoluir como seres humanos.

  2. Deixarei aqui um texto de Emmanuel ( espírito, psicografado por Chico Xavier)..chama-se ‘ NO FUTURO”….nos mostra que, no futuro, melhoraremos em todos os aspectos humanos, incluindo claro, quanto ao preconceito, uma das mazelas morais da humanidade…. onde nosso planeta terá entendido definitivamente o exemplo ímpar de Jesus, nosso exemplo maior..

    No futuro

    E não mais ensinará cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: – Conhece o Senhor! porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior. – Paulo. (Hebreus, 8:11.)

    Quando o homem gravar na própria alma

    Os parágrafos luminosos da Divina Lei,

    O companheiro não repreenderá o companheiro,

    O irmão não denunciará outro irmão.

    O cárcere cerrará suas portas,

    Os tribunais quedarão em silêncio.

    Canhões serão convertidos em arados,

    Homens de armas volverão à sementeira do solo.

    O ódio será expulso do mundo,

    As baionetas r epousarão,

    As máquinas não vomitarão chamas para o incêndio e para a morte,

    Mas cuidarão pacificamente do progresso planetário.

    A justiça será ultrapassada pelo amor.

    Os filhos da fé não somente serão justos,

    Mas bons, profundamente bons.

    A prece constituir-se-á de alegria e louvor

    E as casas de oração estarão consagradas ao trabalho sublime da fraternidade suprema.

    A pregação da Lei

    Viverá nos atos e pensamentos de todos,

    Porque o Cordeiro de Deus

    Terá transformado o coração de cada homem

    Em tabernáculo de luz eterna,

    Em que o seu Reino Divino

    Resplandecerá para sempre.

    EMMANUEL

    LIVRO : PÃO NOSSO
    FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER

  3. Que texto lindo, emocionante e tocante! Parabéns, simone! Infelizmente ainda teremos mto caminho pela frente para não termos mais que conviver com o preconceito, mas tenho fé que um dia todos perceberão que a diferença é que dá sentido e beleza à vida!

  4. Excelente colocação. Sábias palavras. Quando o nosso coração não for mais terra fértil para o preconceito as crianças de todas as cores vão poder correr pelos corredores dos supermercados.

  5. Preconceito é a terra onde o preguiçoso e o acomodado mora, onde encontramos também os covardes e os medrosos, convivendo todos juntos, cabrestados, dentro de uma caixinha.

  6. Ótimo texto!!! Principalmente nos dias de hoje, como a autora mesmo disse “em pleno século XXI (…), tendo acesso a tantos conhecimentos e meios”, é inaceitável a condição restrita de criar um filho (a) tendo que enfrentar esse sujeito tão inoportuno. Vimos, todos os dias, situações como essa. Parabéns pelas belas palavras. #pormaisvozesativas#forapreconceito.

  7. Lindo! E quando o preconceito se travesti de cuidado? “Ah, mas vc precisa perder peso, olha sua saúde…” Uma das muitas frases q se escuta e precisam sumir junto com o preconceito.

  8. Parabéns, Simone! Que as pessoas possam entender a importância da palavra respeito no seu sentido mais amplo. Tão óbvio, mas tão distante da nossa realidade, infelizmente.

  9. A gente sabe de cor que devemos combater o preconceito em nós mesmos e naqueles que estão a nossa volta. Mas, ao ler testemunhos reais como os que você cita lindamente no texto, Si, essa necessidade se torna ainda mais urgente. Parabéns pelas sábias e comoventes palavras.

  10. Essa palavra não tinha nem que existir. Ainda temos muito o que ensinar e aprender. A caminhada será longa. Parabéns pelo texto e essa reflexão será leveda pra sempre.

  11. Obrigada por este texto, Simone! O mundo é desafiador, mas nós estamos aqui para enfrentar, com garra, o que não pode caber nele. Que sorte a do Antônio, por ter você.

  12. Minha amiga Simone, te amo de paixão mas gostaria de falar algo, que muitos não concordão, mas esse tal preconceito só continua existindo porque as pessoas nutrem isso dentro de si. Esse tal preconceito é social e não de raça ou qualquer outra coisa. A hora que nós pararmos de nutrir tal imbecilidade, mudaremos tudo isso. Alguns dos meus melhores amigos são negros; uma das crianças que mais amo, tem necessidades especiais e por obra divina chama-se Antônio; o cara que corta meu cabelo e negro e homossexual, que abraço e beijo no meio da rua, em frente a todos. Precisamos nos colocar com postura forte e positiva, contra nós mesmos. Enquanto as pessoas tiverem postura de vítimas, essa situação de”merda” continuará. Se uma criança pobre correr dentro de um supermercado ou pela rua, será tratada com preconceito, vc sendo estiriotipada como um pivete, ladrão. Precisamos extirpar esse ranso, dentro de nós e nós vitimizar. Temos que demonstrar aos nossos filhos que somos diferentes uns dois outros e nos aceitarmos, como somos.
    Tenho certeza, que meu menino Antônio, veio para a família certa, de coração maior que tudo. Pra essa moça que disse ao seu filho para não correr no mercado, peço que ela deixe o pequeno ser criança e fazer suas artes, dentro dos limites, sem se preocupar com o que os imbecis irão falar.
    Beijos no coração.
    Te amo

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Digite o seu nome

Laia Também

Carta ao Preconceito

Preconceito,   Não começo esta carta com “Prezado”, “Querido” ou “Caro”....

Diário de uma mãe de primeira viagem – parte II

Há alguns dias, estava assistindo a um programa na...

Diário de uma mãe de primeira viagem – parte I

Sempre ouvi dizer que “Quando nasce um bebê, nasce...